Como podar uma árvore ?

A podar uma planta seja qual for a altura do ano é uma tarefa que requer algum conhecimento e cuidado já que, um corte a mais ou mal feito pode comprometer a sobrevivência da planta. Existem muitas teorias sobre a origem desta técnica, umas mais imaginativas de que outras, mas, de uma forma geral, a interação vegetal e animal resulta numa reação positiva ou negativa sobre as plantas. Por outras palavras trata-se de uma intervenção cultural que consiste na remoção de qualquer órgão vivo da planta, influenciando o seu comportamento fisiológico.

Porquê que podamos?

Em termos de fisiologia vegetal uma planta cresce em direção da luz para realizar a fotossíntese e em função do espaço que a copa possui. A luz sobre os gomos vegetativos tem uma função crucial para o desenvolvimento de novos ramos (ou lançamentos), estimulação, homogeneidade da floração, intensificação da cor e aumento do calibre dos frutos.  Como o crescimento vegetativo é continuo há a necessidade de controlar o vigor e a distribuição dos foto assimilados para que não haja desequilíbrios ou seja, ramos improdutivos, débeis ou frutos deformados. É caso para dizer o tal conhecido ditado popular: “Muita parra e pouca uva”.

A poda pode ser classificada em 4 tipos:

  • Poda de formação

É uma intervenção realizada à planta nos primeiros anos e perlonga-se até atingir o formato desejado. Nesta poda o foco é a forma ou o formato da copa para que estes cresçam orientados de forma correta. Deste modo estamos a promover a formação de uma estrutura vigorosa, equilibrada, perdurável, prevalecendo o vigor da planta.

  • Poda de frutificação / anual / manutenção

Esta poda é executada durante a vida de uma planta, anualmente, por forma a garantir o equilíbrio vegetativo/produtivo e a perenidade associada a um máximo de produção e qualidade.

  • Poda de Rejuvenescimento

Esta operação só é executada ocasionalmente e com o objetivo de substituir parte ou a totalidade da planta como por exemplo corte do meristema apical. Trata-se de uma ação mais severa e por isso só deve ser executada quando temos a certeza que o sistema radicular é saudável. Caso contrário estaremos a comprometer a vida da planta.

  • Poda radicular

Consiste em cortar parte do sistema radicular para estimular novas raízes. Esta prática é feita em plantas envasadas quando são transplantada para outro vaso.

E em função das épocas:

  • Poda de Inverno

É executada após a queda das folhas (na dormência das plantas) e é nesta época que podemos podar mais severidade.

  • Poda de Verão (intervenções em verde)

Esta poda não é obrigatória que seja realizada todos os anos visto que só tem ação retificar as podas de inverno.

Dadas as explicações ou esclarecimentos sobre os tipos de poda passamos aos exemplos.

Quando podar?

Na generalidade das plantas deve podar no início da primavera as que até o outono dão frutos em ramos nascidos no ano decorrente. As plantas que florescem na primavera e no início do verão nascem de botões do ano passado. Por isso devem ser podadas após a floração para que as novas hastes tenham tempo de amadurecer antes do inverno. Em árvores ou arbustos pode após a queda das folhas e durante o período de dormência desta forma a poda estimula vigorosamente a planta para a primavera seguinte.

A poda não tem de ser uma regra a aplicar todos os anos. Se não conhece a planta nem como será o seu comportamento no local definitivo o melhor é vigiar o seu crescimento ao longo do ano e ir podando de forma ligeira. Se durante um ano está produzir rebentos fortes e sem desequilíbrios de floração / frutificação significa que a sua manutenção é baixa e não necessita de uma poda frequente. Se o crescimento da planta for lento, mas a copa harmoniosa, a planta necessita de uma poda daí a alguns anos.

“Muita parra e pouca uva”

Por onde começar?

Nesta altura do ano a poda a realizar é de Inverno já que a maior parte das árvores encontram-se sem folhas o que permite visualizar melhor em especial os gomos vegetativos.

O primeiro passo é identificar ramos que estejam doentes ou mortos já que esses serão os primeiros a eliminar. Corte um pouco acima do gomo e o material vegetal morto ou doente queime ou deite fora de forma a não propagar os agentes patogénicos.

Em seguida, sobram os ramos saudáveis sendo que deve eliminar os que estão cruzados de forma a permitir a penetração da luz no interior da copa, visto que a ação da luz é fundamental para o equilíbrio da floração. Identifique os ramos de madeira velha (do ano passado) e os ramos de madeira deste ano.

Com a planta mais limpa focamos na poda de manutenção e para isso devemos sempre de realizar um corte limpo, ou seja, um corte com um ângulo do lado oposto no caso de gomos alternados ou a meio do lançamento no caso de gomos opostos como mostra a imagem:

Imagem: Pinterest

No caso de ramada mais grossa primeiro é necessário eliminar o ramo por partes para conseguir um corte limpo sem que o ramo parta.

Imagem: http://nasdonline.org/1931/d001878/seguridad-al-podar-aacute-rboles.html

Não é boa prática cortar o ramo, desbastado com força e rasgando a casca. Os cortes devem ser limpos para que regenere corretamente.

Imagem: http://eguzkiecojardin.blogspot.com/2015/08/podar-sin-desgarrar-una-rama.html

O formato da copa depende da espécie da planta (árvore) e do gosto pessoal de quem poda. Há plantas que com o seu crescimento natural já tem um formato mais ou menos “predefinido” como o caso o pinheiro e da tuia onde o formato da copa é cone. Mas há outras que necessitam de uma poda para não perder o formato da copa seja por objetivo produtivo ou ornamental.

A poda em vaso é o formato de mais usado para as árvores sejam elas fruteiras ou ornamentais já que confere a árvore uma copa generosa com um tronco limpo como mostra a imagem as zonas de corte em 3 anos:

Imagem: https://rinconverdeagro.com/poda-de-frutales-nociones-elementales/

No caso das arbustos e pequenos frutos (como a framboeseira) para manter a copa arredondada utiliza-se o mesmo critério das árvores de maior porte sem o tronco alto como mostra imagem:

Esta framboeseira como floresce no verão deve-se podar após a colheita mas as framboeseiras que florescem no outono só podem ser podadas na primavera seguinte.

Quando às aromáticas (salsa, tomilho, sálvia, orégãos, etc ) como se tratam de plantas herbáceas a poda coincide com a colheita, ou seja o que podamos é o que comemos, por isso estas plantas são podadas varias vezes no ano. Contudo no inverno sempre pode podar de forma mais severa para estimular novo lançamentos na primavera seguinte.

As coníferas, metrosideros e outras plantas de sebes devem ser podadas uma vez no ano como poda de rejuvenescente já que a manutenção da copa é poda anual.

As hortênsias devem ser podadas todos os anos à exceção do primeiro ano quando colocadas no local definitivo. Se plantou recentemente hortênsias no jardim espere pelo próximo inverno para a podar, já que esta planta necessita de algum tempo para se restabelecer do choque de transplantação assim como as próteas.

Os citrinos devem ser podados após a colheita dos seus frutos, mas não devem ser podados todos os anos, já que com os ataques de psila-africana tem como preferência ramos jovens. Se tiver necessidade de podar mais frequentemente deve monitorizar a psila-africana assim como os afídeos.

Cuidados na poda:

Por ser uma tarefa que requer algum cuidado com a planta, também o operador necessita de ter cautela quando a executa:

  • Em planos inclinados tenha atenção se a escada (se no caso de a usar) está bem apoiada ao chão;
  • Não se pendure na árvore. Sei que é tentador subir quando podamos, mas pense sempre na queda e o quanto esta dói.
  • Limpe sempre as tesouras e serras com água e lixívia de forma a eliminar microrganismos potenciadores de doenças e pragas.
  • Com um óleo indicado para serras use nas ferramentas de forma perdurarem mais tempo e desta forma conseguirá ter cortes limpos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *